Comer, amar, rezar e viajar em 2019

Eu acredito em um monte de coisas. Acredito em energia, simpatias e incenso como proteção. Acredito em um Deus que olha por nós lá em cima. Acredito no universo guiando a gente para fazer nossas escolhas e que nosso pensamento é capaz de atrair o que a gente busca. Acredito que a gente desencarna quando morre e que existe algo além. Acredito em amores de outras vidas, em astrologia e nos orixás também. Entretanto, poucas vezes (com exceção da astrologia) encontrei pessoas com as quais pudesse ter conversas mais profundas sobre esses assuntos perto de mim. Uma das minhas metas em 2019 é encontrá-las.

Li em alguns posts que, segundo a astrologia e a umbanda, 2019 será um ano de colheita. O que você plantou/plantar é o que você vai colher, então é bom olhar atentamente para todas as nossas propostas e a forma como a gente age com os outros e com nós mesmos no dia a dia. Se você não acredita nisso, basta saber que 2018 foi o ano de Xangô, um ano que trouxe verdades à superfície. Dia 07 de janeiro uma verdade explodiu na minha vida que tornou o resto do ano emocionalmente instável. O cenário político também não deixou muito a desejar: vi muitas máscaras caírem de pessoas que juravam não ter nenhum preconceito. Por essas e outras, acredito muito nessas premissas de acordo com os regentes de cada ano.

Inspirada nisso, para 2019, diferentemente dos outros anos, joguei minhas metas numa planilha de planejamento pessoal que meu namorado (virginiano) criou. Esse ano, muito mais do que planejar, me comprometo a tirar tudo do âmbito teórico. Minha maior meta é voltar nessa planilha semanalmente como uma forma de alerta do tipo “olha lá, se você não for atrás disso, as coisas não vão acontecer milagrosamente, tá?” porque tenho uma tendência muito ruim de planejar tudo e deixar pra lá. Não quero chegar no final do ano e pensar que minha vida foi uma grande aleatoriedade como foi em 2018.

image

Sei que precisamos abrir mão do controle para termos uma vida mais feliz, mas acho que não é saudável deixar tudo nas mãos do universo. A gente só precisa saber que o universo nos trará opções durante as nossas vidas e que tiraremos ensinamentos das nossas escolhas. Não é para ter medo disso, não existe certo ou errado, existe o que você vai colher depois do que plantar. Talvez abrir mão do controle seja isso: viver em paz com as nossas escolhas. E se sua escolha não fizer o bem que você achava que iria fazer depois, tome como aprendizado e escolha outro caminho. Nós sempre temos essa opção.

Outro lembrete importante: não é porque está difícil que está errado. O Processo é realmente uma coisa lenta, trabalhosa, minuciosa. Se a gente não aprender a passar alguns perrengues durante esse processo com a serenidade de quem acredita que vai conquistar algo importante para sua alma lá na frente, estaremos apenas focando no lado ruim e não vendo o lado bom. Isso aprendi numa conversa com meu namorado que anda bastante cansado e ansioso com as entregas do trabalho dele. Quando fui dizer que ele estava errado de sofrer daquela forma, ele me disse que não era bem assim, que essas partes difíceis fazem parte de um crescimento que a gente não consegue mensurar muito até atingirmos o que queríamos. E não é verdade? Quem me acompanhou na vida real não sabe o sentimento maravilhoso que tive no dia da minha formatura. Mesmo com todos os perrengues e reclamações durante meus anos de faculdade, fechar aquele ciclo foi um dos melhores dias da minha vida. Meu corpo vibrava de felicidade.

Nesse ano, resolvi dar um nome para minha lista de metas: Comer, rezar, amar e viajar”. Quero cozinhar coisas diferentes, agradecer pelas experiências vividas, amar as minhas pessoas como nunca mês e explorar esse mundão (nem que seja na cidade aqui do lado). Tudo é valido <3.

enjoy the ride ~

E vocês, já se planejaram também?

Advertisements

2 thoughts on “Comer, amar, rezar e viajar em 2019

  1. Mariany Gomes says:

    Que post gostoso de ler!

    Acabei de comentar no post de um outro blog que as minhas palavras para 2019 será ‘Foco’ e ‘Otimismo’. Foco para que eu consiga finalizar as minhas tarefas e otimismo para que eu acredite que elas valem a pena.

    Acabei de conhecer o seu blog e já adorei! Vou te linkar lá no meu blogroll, tá ok? Voltarei com certeza ❤

    Beijo!

    Like

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s